segunda-feira, 26 de abril de 2010

Pablo Picasso
































































Mulher correndo na praia














Mulher no Espelho






















Criança com Pássaro






















The Picnic


















Ponte Japonesa






















Mulher com Sombrinha






















Monet













Obras







Quarto em Arles

















Noite Estrelada

















Girassóis






















Hopper - Room


















domingo, 25 de abril de 2010

Da Vinci - Proporções






















Matisse - Poissons Rouges






















Paul Klee






















Munch - O Grito

Monalisa - Da Vinci






















Caravaggio - Medusa



Caravaggio - La Buona Ventura














Detalhe do Nascimento de Venus - Botticelli



































Michelangelo - Delphes



Botticelli














PROJETO NOMES - SALVADOR

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR
Secretaria Municipal de Educação e Cultura – SMEC
Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico – CENAP

Texto 4.3: ATIVIDADES NA PERSPECTIVA DOS DIFERENTES GÊNEROS TEXTUAIS1
Professor/a, a seguir você encontrará uma lista de sugestões didáticas que poderá possibilitar situações de aprendizagem da língua escrita por meio de atividades de leitura e de escrita com textos.

Atividade 1: Leitura e Escrita de Nomes Próprios
O nome próprio é um modelo estável de escrita. O trabalho com nomes informa as crianças sobre as letras, a quantidade, a posição e a ordem delas; permite o contato com diferentes sílabas e diferentes tamanhos de palavras, além de favorecer a aquisição da base alfabética.
Objetivo
. Registrar e reconhecer o próprio nome e dos/as colegas. Reconhecer o uso funcional do texto.
Desafios colocados aos alfabetizandos/as
. Tentar ler antes de saber ler convencionalmente.
. Estabelecer correspondência entre partes do oral e partes do escrito, ajustando o que sabem de cor à escrita convencional.
. Acionar estratégias de leitura que permitam descobrir o que está escrito e onde.
Sugestões de atividades
. Jogos: bingo, dominó, caça-nomes, cruzadinha, quebra-cabeça, forca e lacunado com os nomes dos/as alfabetizandos/as.
. Montar nomes com alfabeto móvel.
. Caixa de palavra-texto (nomes dos alunos) para realização de leituras diárias.
. Lista dos nomes dos/as alfabetizandos/as, dos/as professores/as ou funcionários/as da escola.
. Classificar nomes dos/as alfabetizandos/as de acordo com: número de letra, de sílaba.
. Identificar letras do próprio nome em embalagens e rótulos.
. Criação de novos nomes a partir das primeiras sílabas de um e das últimas de outro, por exemplo:
ROBERTO – ROMÁRIO; PAULA – LARISSA.
. Procurar nomes escondidos dentro de outros nomes, por exemplo. LUCÉLIA = LU + CÉLIA;
JULIANA = JULIA + ANA.
. Transformação de nomes: nomes femininos em masculinos ou vice-versa – ANGELA =ANGELO; nomes em seus diminuitivos ou aumentativos – PAULO = PAULINHO = PAULÃO;
nomes em plural – CLARA = CLARAS.


Atividade 2: Leitura e Escrita de Listas
As listas são as primeiras formas expositivas de texto. O trabalho com listas favorece a aquisição da base alfabética; possibilita a reflexão entre as hipóteses de escrita do/a alfabetizando/a e a escrita convencional das palavras, promovendo o conflito cognitivo.
Objetivos
. Favorecer a aquisição da base alfabética (dos/as alfabetizandos/as não-alfabéticos/as) e da base ortográfica (dos/as alfabetizandos/as alfabéticos/as). Possibilitar a escrita de textos em forma de lista e o reconhecimento o seu uso funcional.
Sugestões de atividades
. Listar as palavras dos textos trabalhados, classificando-as de acordo com: a primeira e última letra; número de letra e de sílaba, vogais e consoantes, primeiras e últimas sílabas.
. Lista de nomes de animais, frutas, verduras, cores, plantas, objetos, brinquedos, brincadeiras, super-heróis, novelas, filmes, time de futebol, etc.
. Lista de nomes dos/as alfabetizandos/as da classe, dos/as professores/as ou dos/as funcionários/as da escola.
. Lista de nomes dos/as alfabetizandos/as presentes ou ausentes; dos aniversariantes do mês.
Atividade 3: Leitura e Escrita de Trava-língua, Parlenda,
Quadrinha, Poema, Canção de Roda
Trava-línguas, parlendas, quadrinhas, poemas e canções de roda são textos da cultura oral
apropriados para se trabalhar a aquisição da base alfabética e ortográfica; por serem de fácil
memorização, geram atividades que favorecem a percepção de que é preciso corresponder ao falado ao escrito, além de brincar com o som, a forma gráfica e o significado das palavras.
Habilidades
. Demonstrar conhecimentos básicos sobre as regras ortográficas na escrita de textos. Analisar
textos escritos observando as regularidades gráficas ou gramaticais no emprego das palavras (nomes
e qualidades).

Objetivos
. Ler e reler textos que os alunos conhecem de memória, fazendo correspondência entre a oralidade
e a escrita. Ampliar o vocabulário dos alunos e promover a aquisição das bases alfabéticas (alfabetizandos/as não-alfabéticos/as) e ortográficas (alfabetizandos/as alfabéticos/as). Reconhecer o
uso funcional do texto.
Desafios colocados aos alfabetizandos/as
. Tentar ler antes de saber ler convencionalmente.
. Estabelecer correspondência entre partes do oral e partes do escrito, ajustando o que sabem de cor
à escrita convencional.
. Acionar estratégias de leitura que permitam descobrir o que está escrito e onde.
Procedimentos didáticos
1) Anunciar que vai ler um trava-língua ou uma parlenda ou uma quadrinha ou um poema ou uma
cantiga de roda. O/a professor/a deverá criar expectativas nos/as alfabetizandos/as com relação ao
texto que irá ser trabalhado, fazendo as seguintes perguntas:

2) Em seguida, perguntar aos alfabetizandos/as se eles/as sabem o que é um trava-língua ou uma
parlenda ou uma quadrinha ou um poema ou uma cantiga de roda. Explicar as características do
texto escolhido.
- Qual o tipo de texto que vamos ler? Para que serve? Onde pode ser encontrado? Registrar na
lousa as respostas e fazer a comparação no final do trabalho.
Objetivo: ativar os conhecimentos prévios dos/as alfabetizandos/as; deixar que eles/as
manifestem suas idéias e criem suas hipóteses.
As quadrinhas são estrofes de quatro versos, também chamadas de quartetos. As rimas são
simples, assim como as palavras que fazem parte do seu texto.
Os poemas servem para divertir, emocionar, fazer pensar. Geralmente têm rimas e apresentam
diferentes diagramações. São textos com autoria, isto é, geralmente sabemos quem os fez.
As cantigas de roda são textos que servem para brincar e divertir. Com bastante freqüência se
encontram associadas a movimentos corporais em brincadeiras infantis.
As adivinhas servem para divertir e provocar curiosidade. São textos curtos, geralmente
encontrados na forma de perguntas: O que é, o que é? Quem sou eu? Qual é? Como? Qual a
diferença?
Os trava-línguas brincam com o som, a forma gráfica e o significado das palavras. A sonoridade, a cadência e o ritmo dessas composições encantam adultos e crianças. O grande desafio é recitá-los sem tropeços na pronúncia das palavras.
As parlendas são conjuntos de palavras com arrumação rítmica em forma de verso, que podem
rimar ou não. Geralmente envolvem alguma brincadeira, jogo, ou movimento corporal.

3) Apresentar para os/as alfabetizandos/as numa cartolina o texto ou escrevê-lo na lousa. Exemplo:

4) Ler o texto em voz alta, pausadamente e com entonação adequada.

5) Reler o texto apontando palavra por palavra. Em seguida, fazer a leitura coletiva apontando para
cada palavra.

6) Explicar a estrutura e a organização do texto: a direção da escrita, da esquerda para direita e de
cima para baixo. O espaço entre as palavras, o uso de letras maiúsculas e minúsculas, e dos sinais
de pontuação.

7) Distribuir texto mimeografado ou xerocopiado e pedir aos alfabetizandos/as que encontrem e
circulem a palavra CUTIA e palavras rimam. Pintar os espaços entre as palavras. Sublinhar os sinais de pontuação existente no texto. Os/as alfabetizandos/as com hipótese alfabética de escrita podem trabalhar em parceria os/as de hipótese não-alfabética, lendo as palavras ou trechos para que eles/as encontrem o que foi pedido pelo/a professor/a.



TRABALHANDO COM HABILIDADES
a) Demonstrar conhecimentos básicos sobre as regras ortográficas na escrita de textos.
b) Analisar textos escritos observando as regularidades gráficas ou gramaticais no emprego das palavras (nomes e qualidades).
. Fazer a reescrita coletiva do texto. Pedir aos alfabetizando/as que escrevam do jeito que souberem
o texto em seus cadernos.
. Solicitar a revisão do texto. Dividir a lousa em duas partes. Na primeira parte, o/a professor/a ou
um/a alfabetizando/a que esteja alfabético/a, escreverá na lousa as palavras do jeito que os/as
alfabetizando/as ditarem. Na segunda parte, o/a professor/a fará as devidas correções, levando os/as
alfabetizando/as refletirem sobre a escrita das palavras, organização e estrutura do texto. Em seguida, eles/as escreverão nos seus respectivos cadernos o texto revisado.


TRABALHANDO COM LETRAS, PALAVRAS E FRASES
Análise lingüística das palavras do texto.
Escolher cinco palavras do texto e fazer uma lista. Primeiro, os/as alfabetizandos/as escreverão nos
seus cadernos as palavras (do jeito que souber) que o/a professor/a ditar. Em seguida, ele/a deve
fazer a correção das palavras junto os/as alfabetizando, porém perguntando: como se escreve determinada palavra, com que letra começa, com que letra termina... Este é o momento do/a alfabetizando/a entrar em conflito cognitivo, visto que ele/a confrontará sua hipótese de escrita com  a escrita convencional. Depois, ele deverá fazer a analise lingüística das palavras. Exemplo:
Lousa
Reescrita do texto (padrão oral) Revisão do texto (padrão escrito)
A CUTIA ESTÁ COM DOR DE DENTE
DE TANTO, TANTO, COMER DOCE QUENTE.
A CUTIA ESTÁ COM PERNA DURA
DE TANTO, TANTO, COMER RAPADURA.
A CUTIA ESTÁ COM DOR NO PÉ
DE TANTO, TANTO, TOMAR CAFÉ.

Análise lingüística da palavra e da frase
. Pedir aos alfabetizandos/as que observem a escrita de uma frase do texto. Exemplo:
. Solicitar que pintem os espaços entre as palavras e depois responda. Exemplo:
Perguntar:
- Quantas letras têm a frase?___________ - Quantas palavras?__________
- Quantos espaços existem entre as palavras? _____ - Tem algum sinal de pontuação? Qual?____
. Pedir aos alfabetizandos/as que observem as palavras RAPADURA e CAFÉ e depois responda
- Quantas letras têm a palavra? _______ - Quantas letras têm a palavra? _______
- Qual a primeira letra? _______________ - Qual a primeira letra? ____________
- Qual a última letra? ________________ - Qual a última letra? __________
- Quantas sílabas têm a palavra? _________ - Quantas sílabas têm a palavra? ________
- Qual a primeira sílaba? ______________ - Qual a primeira sílaba? ______________
- Qual a última sílaba? ____________ - Qual a última sílaba? ___________
. Solicitar aos alunos que escrevam palavras que tenham as sílabas RA e CA.
DU BO
LO BELO
BA BA LHO EN RACOLADO
CA + RA = CARA. CA +RA +ME + LO = CARAMELO

A CUTIA ESTÁ COM PERNA DURA.
A CUTIA ESTÁ COM PERNA DURA.
RAPADURA CAFÉ
RA PA DU RA CA FÉ
RA
RA
RA
CA
CA
CA

. Pedir aos alfabetizandos que escrevam, do jeito que souberem, palavras que rimam com CUTIA e
DENTE. Em seguida, escolher três palavras e fazer a correção.
Hipótese de escrita Escrita padrão
______________________________________ ____________________________________
______________________________________ ____________________________________
______________________________________ ____________________________________
Mais sugestões de atividades
. Jogos: bingo, cruzadinha, caça-palavra, forca, preguicinha com as palavras do texto trabalhado.
. Remontar o texto através de tirinhas.
. Caixa de palavra-texto (trava-língua, parlenda, quadrinha) para realização de leituras diárias, com
interpretação.
. Reescrita com apoio da memória.
. Transcrição do texto (cópia significativa).
. Pesquisas na família e na comunidade que os alfabetizandos/as moram.
Atividades considerando os níveis de escrita dos alunos
. Alfabetizandos/as não-alfabéticos/as: circular as palavras repetidas, as rimas, os sinais de
pontuação; copiar palavras inteiras; pintar os espaços entre as palavras; contar o número de letras
e/ou palavras de uma frase; contar o número de sílabas das palavras; completar letras ou sílabas que
faltam de algumas palavras do texto; ligar palavras ao número de letras ou número de sílabas;
classificar as palavras pelo som ou letra inicial; produção de lista e ditado com as palavras do texto.
. Alunos alfabéticos: circular as palavras repetidas, as rimas, os sinais de pontuação; pintar os
espaços entre as palavras; contar o número de palavras de uma frase; ordenar frases do texto; dividir
palavras em sílabas; formar palavras a partir de sílabas; ligar palavra ao número de sílabas;
produção de lista e ditado com as palavras do texto.
Atividade 4: Leitura e Escrita de Conto, Lenda e Fábula
Os contos, lendas e fábulas são antigas expressões da cultura que se eternizaram graças à tradição
oral, passada de uma geração para outra. São narrativas que despertam o gosto pela leitura,
estimulam a imaginação e povoam a mente de idéias, pessoas, lugares, acontecimentos, desejos,
sonhos…
Habilidades
. Demonstrar conhecimentos básicos sobre as regras ortográficas na escrita de textos. Analisar
textos escritos observando as regularidades gráficas ou gramaticais no emprego das palavras (nomes
e qualidades). Utilizar diferentes estratégias de leitura: antecipação, interferência, seleção e
verificação.
Objetivos
. Proporcionar aos alunos, condições de conhecerem e valorizarem os clássicos da literatura infantil
e seus criadores. Conhecer a estrutura dos textos narrativos, fazendo correspondência entre a
oralidade e a escrita. Ampliar o vocabulário dos alunos e favorecer a aquisição das bases alfabéticas
(alunos não-alfabéticos) e ortográficas (alunos alfabéticos). Estabelecer vínculo prazeroso com a
leitura e escrita, assim como desenvolver a linguagem oral.

Desafios colocados aos alfabetizandos
. Tentar ler antes de saber ler convencionalmente.
. Estabelecer correspondência entre partes do oral e partes do escrito, ajustando o que sabem de cor
à escrita convencional.
. Acionar estratégias de leitura que permitam descobrir o que está escrito e onde.
Procedimentos didáticos
Escolher um texto adequado aos interesses da turma e escrevê-lo numa papel metro ou na lousa.
Escrevê-lo com letra de imprensa maiúscula, visto que para o leitor iniciante é mais fácil escrever
do que a letra cursiva. Se houver recursos, fazer uma cópia do texto para cada alfabetizando/a.
1) Anunciar que vai ler um conto ou uma lenda ou uma fábula. O/a professor/a deverá criar
expectativas nos/as alfabetizandos/as com relação ao texto que irá ser trabalhado, fazendo as
seguintes perguntas:
2) Em seguida, perguntar eles/as se sabem o que é um conto ou uma lenda ou uma fábula. Explicar
as características do texto escolhido.
- Qual o tipo de texto que vamos ler? Para que serve? Onde pode ser encontrado? Registrar na
lousa as suas respostas e fazer a comparação no final do trabalho.
Objetivo: ativar os conhecimentos prévios dos/as alfabetizando/as; deixar que eles/as manifestem
suas idéias e criem suas hipóteses.
Os contos de fadas emocionam, divertem, criam suspense, mexem com os sentimentos mais
primitivos do indivíduo. Neles, o bem e o mal aparecem claramente esboçados, possibilitando
perceber que a luta contra os problemas faz parte da existência humana. Por ter suas origens na
tradição oral, muitos contos foram recebendo novos elementos, fazendo surgir muitas variações
sobre o mesmo enredo (diferentes versões). São textos que mantêm uma estrutura fixa: partem de
um problema (como estado de penúria, carência afetiva, conflito entre mãe e filho), que
desequilibra a tranqüilidade inicial. O desenvolvimento é uma busca de soluções, no plano da
fantasia, com introdução de elementos mágicos (fadas, bruxas, duendes, gigantes etc.). A
restauração da ordem acontece no final da narrativa, quando se volta a uma situação de
tranqüilidade.
As fábulas são pequenas narrativas que transmitem em linguagem simples mensagens morais
relacionadas ao comportamento no cotidiano. Em geral, a moral é acrescida por um pensamento
final. Algumas fábulas possuem personagens humanas, mas a maior parte delas mostra situações
do dia-a-dia vividas por seres personificados – animais com características humanas. O
comportamento dos animais representa os defeitos, as qualidades e os vícios dos seres humanos.
É muito comum a presença de provérbios populares.
As lendas, assim como os mitos, são histórias sem autoria conhecida. Foram criadas por povos
de diferentes lugares e épocas para explicar fatos para os quais as pessoas não tinham
explicações, como o surgimento da terra e dos seres humanos, do dia e da noite e outros
fenômenos da natureza. Também falam sobre heróis, heroínas, deuses, deusas, monstros e outros
seres fantásticos.
Características do texto narrativo: narrador-personagem (1ª pessoa) e/ou narrador-observador (3ª
pessoa), personagens, clímax, enredo, marcadores de tempo (era uma vez, certo dia, naquela
manhã... fato reais ou imaginários)
8
3) Apresentar para os/as alfabetizando/as numa cartolina ou escrever na lousa o título do texto
escolhido. (Exemplo).
4) Perguntar: O que está escrito na cartolina ou na lousa? Se eles/as não conseguirem, fazer a leitura
do título do texto. Em seguida, perguntar?
5) Ler a história em voz alta, pausadamente e com entonação adequada.
6) Interromper a leitura no inicio do segundo e do quarto parágrafo e perguntar:
7) Reler o texto apontando palavra por palavra. Em seguida, fazer a leitura coletiva apontando para
cada palavra.

TÍTULO DA FÁBULA: A FORMIGA E A POMBA
AUTOR: ESOPO
UMA FORMIGA FOI À MARGEM DO RIO PARA BEBER ÁGUA E, SENDO
ARRASTADA PELA FORTE CORRENTEZA, ESTAVA PRESTES A SE AFOGAR.
UMA POMBA QUE ESTAVA NUMA ÁRVORE SOBRE A ÁGUA, ARRANCOU
UMA FOLHA E A DEIXOU CAIR NA CORRENTEZA PERTO DELA. A FORMIGA
SUBIU NA FOLHA E FLUTUOU EM SEGURANÇA ATÉ A MARGEM.
POUCO TEMPO DEPOIS, UM CAÇADOR DE PÁSSAROS VEIO POR BAIXO DA
ÁRVORE E SE PREPARAVA PARA COLOCAR VARAS COM VISGO PERTO DA
POMBA QUE REPOUSAVA NOS GALHOS ALHEIA AO PERIGO.
A FORMIGA, PERCEBENDO SUA INTENÇÃO, DEU-LHE UMA FERROADA NO
PÉ. ELE REPENTINAMENTE DEIXOU CAIR SUA ARMADILHA E, ISSO DEU CHANCE
PARA QUE A POMBA VOASSE PARA LONGE A SALVO.

MORAL DA HISTÓRIA: QUEM É GRATO DE CORAÇÃO SEMPRE ENCONTRARÁ
OPORTUNIDADES PARA MOSTRAR SUA GRATIDÃO.
- Qual será o assunto que vamos encontrar ou que podemos esperar de um texto com esse título?
- Quem serão os personagens? Onde acontecerá a história? Qual o nome do autor?
Objetivo: antecipar os fatos relativos à leitura com base no titulo; deixar que eles/as manifestem
suas idéias e criem suas hipóteses, ainda que ajudado pelo/a professor/a.
- O que a pomba vai fazer? - Qual será a atitude da formiga?
Habilidade: utilizar diferentes estratégias de leitura..
Ao terminar a leitura, retomar ao que os/as alfabetizando/as inferiram sobre o texto no início do
processo, onde eles/as imaginaram que iria acontecer.
TÍTULO DA FÁBULA: A FORMIGA E A POMBA
Habilidade: Realizar leitura fluente do texto com compreensão.

8) Explicar a estrutura e a organização do texto: a direção da escrita, da esquerda para direita e de
cima para baixo. A localização do título e do nome do autor. O espaço entre as palavras, o uso de
letras maiúsculas e minúsculas, o uso do parágrafo e dos sinais de pontuação (. ,). Seqüência lógica
(início, meio e fim).
9) Pedir aos alfabetizandos/as que encontrem e apontem palavras ou trechos do texto que o/a
professor/a falar; palavras repetidas; rimas. Pintar os espaços entre as palavras. Sublinhar os sinais
de pontuação existente no texto. Os/as alfabetizando/as com hipótese alfabética podem trabalhar em
parceria com os/as de hipótese não-alfabética, lendo para que eles/as encontrem o que se pede.
Trabalhando com habilidades
. Solicitar aos alfabetizandos que recontem a fábula, coletivamente.
. Interpretar e explorar com eles/as as informações explícitas e implícitas da história. Em seguida,
perguntar (compreensão oral do texto):
. Localizar e circular na cópia do texto do/a alfabetizando o título, o nome do autor, os personagens
e a moral da história. Pintar os espaços entre as palavras. Sublinhar os parágrafos e os sinais de
pontuação.
. Preencher a ficha de leitura. Nesta atividade, o/a professor/ atuará como escriba, isto é, os/as
alfabetizandos/as ditarão as palavras e ele/a as escreverá na lousa, e eles/as, nos seus respectivos
cadernos. Faz-se necessário que durante a escrita, o/a professor/a estimule a reflexão sobre a escrita,
perguntando dentre outras coisas: como se escreve tal palavra, com que letra começa ou termina, é
vogal ou consoante... Vale ressaltar que as respostas virão dos/as alfabetizandos/as e não do/a
professor/a, exceto quando eles encontrarem muitas dificuldades na escrita das palavras.
Ficha de leitura
Tipo de texto
Função do texto
Título
Autor(a)
Personagens 1.
(características) 2.
Ambiente
Seqüência do texto
Ilustração (início) Ilustração (meio) Ilustração (fim)
- Qual o tipo de texto? Qual o título? Quem é o autor? Qual a moral da história? Quem são os
personagens? Onde aconteceu a história? Qual a moral da história?
Habilidade: Narrar acontecimentos e histórias deixando claro onde, quando e como
aconteceu.
Habilidade: Demonstrar conhecimentos básicos sobre as regras ortográficas na escrita de
. Fazer a reescrita coletiva do texto. Pedir aos alfabetizandos que escrevam do jeito que souberem o
texto em seus cadernos.
. Solicitar a revisão do texto. Dividir a lousa em duas partes. Na primeira parte, o/a professor ou
um/a alfabetizando/a que esteja alfabético/a, escreverá na lousa as palavras do jeito que os/as
alfabetizandos/as ditarem. Na segunda parte, o/a professor/a fará as devidas correções, os/as
levando a analisar e refletir sobre a escrita das palavras, organização e estrutura do texto. Em
seguida, eles/as deveram transcrever para os cadernos o texto revisado.
Lista e análise lingüística das palavras do texto.
. Escolher cinco palavras do texto e fazer uma lista. Primeiro, o aluno escreverá no seu caderno as
palavras (do jeito que souber) que o professor ditar e, em seguida, fazer a correção das palavras
junto com os alunos, perguntando-lhes: como se escreve determinada palavra, com que letra
começa... Este é o momento do aluno entrar em conflito cognitivo, visto que ele confrontará sua
hipótese com a escrita correta da palavra. Depois, fazer a analise lingüística das palavras,
preenchendo o resto da atividade.


Análise da palavra e da frase
. Pedir aos alfabetizandos/as que observem a escrita do título do texto.
. Solicitar que pintem os espaços entre as palavras e depois responda.
- Quantos espaços existem entre as palavras? ________ Quantas palavras?___________
. Pedir que observem as palavras FORMIGA e POMBA e depois responda
- Quantas letras têm a palavra? _________ - Quantas letras têm a palavra? ______
- Qual a primeira letra? _____ - Qual a primeira letra? ________
Lousa
Reescrita do texto (padrão oral) Revisão do texto (padrão escrito)
Habilidade: Elaborar questões escritas após leituras ouvidas. Analisar textos escritos observando
as regularidades gráficas ou gramaticais no emprego das palavras (nomes e qualidades).
A FORMIGA E A POMBA
A FORMIGA E A POMBA
FORMIGA POMBA
- Qual a última letra? ________ - Qual a última letra? ________
- Quantas sílabas têm a palavra? ________ - Quantas sílabas têm a palavra? _________
- Qual a primeira sílaba? ________ - Qual a primeira sílaba? ________
- Qual a última sílaba? ________ - Qual a última sílaba? ________
. Solicitar que escrevam palavras que tenham as sílabas GA e BA.
TO LA
TA RELA CE LA
BARRI GO IA
. Solicitar aos alfabetizandos/as que escrevam, do jeito que souberem, palavras que rimam com
FORMIGA e POMBA. Em seguida, escolher três palavras e fazer a correção.
______________________________________ ____________________________________
______________________________________ ____________________________________
______________________________________ ____________________________________
CONCLUSÃO:
O conjunto de atividades que ora se apresenta, são sugestões que poderão auxiliar o/a professor/a na
prepararão das situações didáticas e de aprendizagem. É preciso, portanto, que ele/a escolha e
adapte-as conforme os diferentes contextos. As atividades deverão ser desenvolvidas em vários
dias, em diferentes situações, cuidadosamente, para que os/as alfabetizandos/as consigam realizar
uma aprendizagem significativa, sem distorções nem conceitos mal construídos.













NOTAS
1 O presente texto tem o objetivo de subsidiar os/as professores/as alfabetizadores/as na compreensão dos processos que
estão envolvidos na aquisição do sistema de escrita alfabética, da leitura, da produção de texto e do desenvolvimento da
oralidade.

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA – SMEC “ Ninguém liberta ninguém. Tampouco ninguém se liberta sozinho. Homens e mulheres se libertam em comunhão, por intermédio do conhecimento do seu ser e estar no mundo.”
“Ninguém aprende sozinho. Tampouco ninguém ensina ninguém. Educadores/as eeducandos/as aprendem em comunhão, mediatizados/as pelos conhecimentos e saberes.”


COORDENAÇÃO DE ENSINO E APOIO PEDAGÓGICO – CENAP
ESPAÇO PEDAGÓGICO VIRTUAL: TEIAS DE CONHECIMENTOS E SABERES


cenapvirtual@salvador.gov.br

PROJETO NOMES PRÓPRIOS

Escola Municipal Luiz Gonzaga

Trabalho pedagógico com nomes próprios

O conhecimento do próprio nome tem duas conseqüências importantes para os alunos que estão se alfabetizando:
    - é uma escrita livre de contexto:
    - é uma escrita que informa sobre a ordem não-aleatória dentro do conjunto de letras.
A escrita do nome próprio nome representa uma oportunidade privilegiada de reflexão sobre o funcionamento do sistema de escrita, pelas seguintes razões:
    - tanto do ponto de vista lingüístico como do gráfico, o nome próprio é um modelo estável ;
    - o nome próprio é um nome que se refere a um único objeto, com o que se elimina, para a criança, a ambigüidade na interpretação;
    - o nome próprio tem valor de verdade porque se reporta a uma existência, a um saber compartilhado por ambos, emissor e receptor;
    - do ponto de vista da estrutura daquilo que está escrito, a pauta lingüística e o referente coincidem.
A escrita de nomes próprios é uma boa situação para trabalhar com modelos de escrita, e isso é conveniente porque esse tipo de modelo oferece informação à criança sobre :
    - a forma e o valor sonoro convencional das letras;
    - a quantidade de letras necessária para escrever os nomes ;
    - a realidade convencional da escrita, o que serve de referência para checar as própria hipóteses.

Algumas atividades

No que se refere ao trabalho pedagógico, têm se mostrado produtivas as situações em que as crianças precisem;
    - Consultar listas de nomes ou apelidos.
    - Reconhecer a escrita dos nomes dos colegas.
    - Identificar diferentes segmentos constituintes dos nomes (sílabas, fonemas /letras).
fazendo uso desse conhecimento em outras situações.
    - Identificar, em ficha ou cartões, o próprio , o dos colegas ou outros.
    - Usar /Ver a utilização de nomes para marcar desenhos , objetos, utensílios, roupas, trabalhos de classe.
    - Copiar nomes em situações em que isso é necessário e/ou faz
sentido.
    - Montar um nome com letras fornecida pela professora, em número exato e sem modelo.
    - Escrever nomes com letras móveis, sem modelo, selecionando-as dentro um conjunto de letras.
    - Escreve o nome do colega nos trabalhos feitos por ele.
    - Organizar agenda telefônica, estabelecendo entre os nomes e os respectivos números de telefone.
    - Participar de jogos dos seguintes tipos;
       - “forca” com nomes ;
       - jogo da memória (relacionando fotos e nomes);
       - bingo de nomes
       - adivinhações como por exemplo; “Tenho um cartão com um nome de seis letras, que começa com a primeira letra do Fábio. Qual é ?
- Participar de outras situações desafiadoras tais como:
- A professora coloca na mesa as letras dos nomes de quatro alunos : cada um deve encontrar as que pertencem ao seu próprio nome e, com o grupo, procurar quais são  coincidentes com as dos outros nomes.
- descoberta dos nomes que vão sendo escritos na lousa pela professora, a partir das orientações que ela oferece ; “Primeiro o S depois o A... De quem será este nome ? ( entre outras possibilidades)
- Utilização de cartões com os nomes dos personagens das histórias lidas, misturados a outros com os nomes das crianças, para classificar e analisas, por exemplo:
    - quais são os nomes que começam, como a Branca de Neve;
    - quais os que têm mais letras que começam com o nome do Pinóquio:
    - quais são escritos como o Chapeuzinho vermelho.